ter. mar 19th, 2019

Escola, conflito e violências: Qual o papel da Segurança Pública nesse ciclo?

A Secretaria de Ordem Pública realizou nos dias 26 e 27 de fevereiro o evento “Eu conto com você”.

Fonte: Prefeitura de São João da Barra
Elisângela Oliveira 

RIO DE JANEIRO | Diante do início de um novo ano letivo, uma pergunta se repete: Como lidar com a violência nas escolas? Essa é uma das preocupações que atinge professores, funcionários, alunos e comunidade local. Afinal, nos últimos anos observamos um aumento na divulgação dos casos de discriminação, ameaças e xingamentos, muitas vezes confundidos com brincadeiras, e até mesmo, agressões físicas. Violências presentes em nosso cotidiano.

Contudo, é de se esperar que num espaço direcionado para a formação dos indivíduos e a construção das relações sociais se manifestem as diversidades sociais, políticas, econômicas e culturais presentes em nossa sociedade. Nesse contexto, surgem os conflitos que resultam da divergência ou ausência de informações. Quando não resolvidos, a tendência é que os conflitos se tornem cada vez mais frequentes e com mais intensidade. Até o ponto em que se revelam através dos diferentes tipos de violência.

A resolução dessa problemática envolve diferentes iniciativas. Em primeiro lugar é preciso incentivar o desenvolvimento de pesquisas nessa área. Afinal, apesar de se tratar de uma discussão recorrente, a escassez dos dados é uma realidade. É necessário incentivar a produção de dados através do registro das ocorrências, assim como a sistematização e integração das informações produzidas pelas instituições de ensino e do sistema de segurança pública como Guarda Municipal, Polícia Militar, Vara de Infância e da Juventude e Conselho Tutelar.

Além disso, o conflito precisa ser compreendido a partir de diferentes perspectivas. Se por um lado, ele é um fator que interfere negativamente no processo de construção das relações pessoais e sociais e no processo de aprendizagem; por outro lado, trata-se de uma experiência inerente a condição humana e que exerce um papel fundamental no desenvolvimento pessoal, social e de aprendizagem. Por fim, é fundamental a construção de projetos pautados no diagnóstico e na integração entre as instituições de educação e segurança.

Algo que está sendo realizado no município de São João da Barra. A Secretaria de Ordem Pública realizou nos dias 26 e 27 de fevereiro o evento “Eu conto com você”. O projeto, idealizado pela Guarda Civil Municipal, tem por objetivo conscientizar e orientar, por meio de palestras, os diretores das 38 unidades da rede de ensino sobre assuntos pertinentes à comunidade escolar e a administração dos conflitos nesses espaços.

Através da parceria com a Secretaria de Educação e Cultura e com as instituições de segurança promoveu-se a discussão acerca de diferentes temas como gestão, empreendedorismo, legislação, responsabilidades e atribuições das instituições, administração de conflitos e liderança motivacional.

Durante o evento, também foram apresentados alguns projetos que serão realizados ao longo desse ano. A criação da Guarda Mirim e Guarda Sênior possibilitará a realização de um trabalho com crianças e idosos capacitando-os para atuarem como orientadores da população em praças e locais de grande circulação. Através do SEMOP Educacional, pretende-se promover a integração e o desenvolvimento de ações conjuntas entre as escolas e a Secretaria de Ordem Pública. A proposta de criação de Comitês de Segurança nas escolas tem por objetivo engajar agentes de segurança, alunos, funcionários, pais e professores na elaboração de diferentes estratégias de combate à violência. Já o projeto “Palestra Segurança Urbana para Civis”, buscará através da apresentação de dicas de conduta em casos de violência urbana, transformar os alunos em multiplicadores.

Além dos projetos, foram apresentadas algumas propostas que são primordiais no que se refere ao planejamento e a gestão. A padronização de protocolos de atuação, a criação de um sistema classificatório dos eventos de conflitos ou violências e o mapeamento das ocorrências são fundamentais para o planejamento das ações e dos modelos de intervenção a serem adotados.

É preciso que iniciativas como essas se multipliquem. É preciso reconhecer a necessidade de investir esforços e recursos para resolverem não somente para os episódios de conflitos e violências, como para o estimular instituições e profissionais a se adequarem à realidade e às necessidades de todos os envolvidos no ambiente escolar. Tornando assim, a violência na escola uma agenda prioritária das políticas públicas de educação e segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *