Ciclismo Militar do Brasil tenta vitória em prova de estrada

Contra o relógio, equipe da Aeronáutica foi a quinta colocada e espera melhor desempenho

Divulgação/FAB

Equipe brasileira tenta medalha em sua segunda participação no mUndial na Holanda

 

Kleber Vieira

Após ficar em quinto lugar na prova contra o relógio, a Seleção Brasileira Militar de Ciclismo de Estrada volta a competir no 31º Mundial Militar de Ciclismo masculino do CISM, na cidade de Chaam na Holanda. Nesta quarta-feira, a equipe larga para a prova de estrada e tem “com grandes chances de excelentes resultados”.

A chefe de equipe, tenente Renata Gavinho, faz essa previsão otimista, “levando em conta ser um circuito planos, especialidade dos atletas, terceiro-sargento Rafael Andriato e o atleta olímpico, terceiro-sargento Gideoni Monteiro”.

Para ela, o quinto lugar na prova contra o relógio – o Brasil ficou atrás de Rússia, Áustria, Irã, Letônia – pode ser considerado muito bom, em função do alto nível do Mundial, disputado por 12 países.

“Na prova contra relógio por equipes, o Brasil largou com grandes chances de medalha, a equipe contava com o campeão dessa prova nos 6º Jogos Mundiais Militares. O Brasil largou com grandes adversários, como a Áustria, que possui dois atletas pro tour (elite do Ciclismo Mundial), Rússia e Irã, que foi medalhista nessa prova nos 6º Jogos Mundiais Militares. Chegamos a ficar com o segundo melhor tempo, mas fomos batidos pela Rússia, Áustria, Irã e Letônia, ficando em quinto lugar, entre os 12 Países participantes”.

Renata Gavinho assinalou que no Brasil não é comum a prova Contra relógio ser disputada por equipes, “geralmente ocorre o contra relógio individual”.

O terceiro-sargento André Eduardo Gohr, um dos atletas, também considerou o quinto lugar um bom resultado, mas disse estar totalmente voltado para o novo desafio.

Gohr acredita em um bom resultado nesta quarta-feira

“Foi um bom desempenho, mas agora, foco total na prova de resistência, no dia 1 de agosto, para melhorarmos o resultado e conquistarmos a medalha”, declarou.

Além do sargento Gohr, a seleção brasileira de Ciclismo Militar de Estrada conta com os terceiros-sargentos Gideoni Monteiro, além de Marcio Vicente, Rafael Andriato, Magno Prado e Cristian Egídio. O treinador é o tenente Marcelo Morone.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *