Megaoperação em favelas teve cinco bandidos e dois militares mortos no Rio

Forças de segurança fazem incursão na Penha, Alemão e Maré, vias expressas são fechadas

Divulgação/EBC   

A intervenção das tropas federais teve hoje um dia de intenso confronto com marginais

Da redação(Rio)

Em um dia de megaoperação das forças de segurança nas favelas da Penha, Alemão e Maré, todas na Zona Norte do Rio, ocorreu a primeira morte de um militar do Exército, desde o início da intervenção federal. Atingido por um tiro no ombro, o cabo Fabiano de Oliveira Santos faleceu, enquanto o soldado Marcus Vinícius Viana Ribeiro, também ferido por projétil, na perna, não corre risco de morte. Ambos foram levados para o Hospital Central do Exército, em Benfica, Zona Norte do Rio.

Agora à noite, por volta das 21h, o Comando Militar do Leste emitiu nota confirmando a morte de mais um integrante das forças de segurança, o soldado do Exército João Viktor da Silva.

Outras cinco pessoas, envolvidas com tráfico de drogas, foram mortas durante a ação. Mais seis criminosos foram presos no Complexo da Maré, onde haviam invadido uma casa e feito reféns. O Comando Militar do Leste informou que foram apreendidos um fuzil e três pistolas com os bandidos.

Tiroteio e tensão

Mais de quatro mil militares das Forças Armadas e 70 policiais civis participaram da ação, cujo objetivo era cumprir mandados judiciais contra traficantes de drogas, que não foram cumpridos, já que todas as prisões ocorreram em flagrante. Foram apreendidos 200Kg de drogas, pelos policiais do Batalhão de Operação com Cães, na Maré.

A manhã foi de confrontos nessas regiões, o quem trouxe insegurança e tensão a quem utilizava as vias expressas. Vários foram os relatos de tiroteio. Houve interdição na Linha Vermelha, nas proximidades da Maré e a megaoperação teve apoio de blindados e helicópteros. Na Linha Amarela, que liga as zonas Norte e Oeste, ocorreu protesto em que pessoas chegaram a incendiar um ônibus.

Para o coronel Carlos Cinelli, porta-voz do Comando Militar do Leste, o exército está mais bem preparado que os criminosos, que atiram a esmo.

“Lamentavelmente, o procedimento irracional da criminalidade é fomentar o confronto. Os nossos militares e policiais estão mais bem equipados e mais bem preparados. Porém, diante de um fuzil que é colocado pelo criminoso em automático e descarregado a esmo, há sempre a possibilidade de acontecerem óbitos”, declarou o militar à imprensa.

Fugido da Zona Oeste

Entre os dez presos está o criminoso conhecido como Sonic, acusado de ser o responsável pelos confrontos nas favelas de Rola e Antares, em Santa Cruz, na Zona Oeste. Os militares apreenderam, ainda, quatro pistolas, duas granadas, dois carros, um rádio e cerca de 200 quilos de maconha em tabletes de prensados.

Redes sociais

A movimentação também foi grande nas redes sociais. Pelo WhatsApp, vários moradores relataram a ocorrência de tiroteio e o medo de sair de casa. Pessoas em outras localidades pediam informações sobre a tiroteio e trânsito, haja vista que houve interdições e engarrafamentos em vias expressas.

Importância da inteligência

Coronel Cinelli elogiou o trabalho de inteligência, que apontou como fundamental para que as prisões dos criminosos fossem feitas. As forças de segurança souberam, com antecedência, que bandidos da Zona Oeste se mobilizaram para reforçar os marginais do Alemão, o que foi determinante para surpreendê-los assim que chegaram à favela. O militar acrescentou que as informações da inteligência permitiram, às forças de segurança, saberem as melhores condições e horário para as ações de campo, além de avaliarem possíveis riscos à população. Para ele, os tiroteios têm diminuído, apesar dos muitos confrontos registrados na cidade desde o início da intervenção federal na Segurança.

Um dos pontos positivos, de acordo com Cinelli, é a colaboração das pessoas, denunciando os marginais.

“Esta noite recebemos dezenas de denúncias, e várias delas se confirmaram. Significa que a população está ciente dos canais e tem contribuído. Nada melhor do que um dado preciso daquele que está dentro da comunidade”, declarou aos jornalistas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *